Alguns deslizes muito comuns impactam diretamente nas vendas e no bom andamento de dezenas de lojas no Brasil. A boa notícia é que contorná-los não é tão difícil quanto parece!

Muitas vezes o insucesso dos negócios está atrelado a situações pontuais que poderiam ser facilmente corrigidas dentro da loja para se chegar aos resultados desejados. Para ser líder e referência no mercado local, se sobressair à concorrência, é necessário planejar o negócio e alinhar os processos da gestão da loja aos objetivos-chave. Só assim, as vendas irão despontar. Mas quais são os erros que estão impactando seu varejo? O Flix traz uma lista de motivos para deixar os varejistas em alerta. Confira:

1 – Planejamento de vendas precário

Se todos bons projetos e negócios partem de um esboço inicial (para ver o todo) e de uma ótima estratégia (para partir para a ação), no varejo não seria diferente. O planejamento da loja mal feito, especialmente na área de vendas, compromete todos os processos e pode acabar frustrando o cliente.

Um exemplo comum são as lojas com várias filiais e ou canais de venda que, sem as metas devidamente traçadas para a jornada de compra, bombardeiam os clientes com informações e produtos sem qualquer direcionamento. Isso ocorre principalmente por desconhecimento do perfil do público consumidor e por falta de metas para fidelizar o cliente.

2 – Não acessar informações sobre o público-alvo

O cliente só volta à loja se tiver certeza que o estabelecimento vai atender às necessidades dele. O que ocorre em muitas vezes é que o varejo não aproveita as tecnologias que se têm à disposição para traçar o perfil dos clientes e entender a postura deles diante o mercado. O que procuram, quanto gastam em média, eles preferem qualidade ou preço? Nem sempre questionamentos como esses são feitos para garantir uma boa experiência de compra ao público.

Não usar as informações sobre os consumidores para atraí-los é um erro clássico e representa grande parte das perdas de oportunidade para estimular as vendas.

3 – Não investir em tecnologias

Diariamente são ofertadas pelo mercado digital inúmeras iniciativas para facilitar os processos internos. Software e ferramentas tecnológicas deveriam liderar a lista de investimentos a curto e médio prazo dos lojistas, mas nem sempre é o que ocorre. Mais do que ajudar a desenhar o perfil do cliente, essas plataformas ajudam a gerir o negócio em todos os seus setores.

Por falta de conhecimento, muitos varejistas acreditam que soluções tecnológicas são para empresas de maior porte e fluxo. O que é um grande engano! Não inovar é mostrar para o mercado que você assume a postura de sempre estar atrás e o shopper enxerga facilmente isso.

4 – Não se atentar para o controle de estoque

Os estoques nem sempre são colocados como prioridade pela administração da loja. A má gestão do setor vai aumentar os riscos de ruptura, de perdas e também encalhamento de determinados itens nas gôndolas e prateleiras. Prejuízos acumulados na certa!

O varejista só consegue ter uma noção melhor do fluxo de vendas se o gerenciamento começar na ponta. Não conhecer o giro de estoque faz com que o varejo peque por excessos ou, o que é pior ainda, sempre diga ao cliente que determinados produtos ou categorias não têm na loja. Lembrando que clientela insatisfeita é o mesmo que perda de vendas.

5 – Se limitar a um canal de vendas

Em tempos do consumidor omnichannel, que compra pela internet e também não abre mão da loja física, peca quem se limita a vender em apenas um canal. Seja micro ou grandes empresas, o lojista perde a oportunidade de lucrar mais.

O consumidor busca praticidade e comunidade. Quanto mais se dificulta o acesso dele a produtos e serviços, mais ele terá uma experiência de compra limitada e menos vai se interessar pela marca. Não ser multicanal nos tempos atuais é ficar acomodado diante um cenário em que só lucra quem investe mais e expande a aproximação com o consumidor.

6 – Falta de monitoramento dos custos operacionais

Os custos operacionais são um dos principais elementos que geram competitividade no varejo e forçam que os mercados se adequem a diferentes modelos, como o caso do e-commerce. Quando o lojista não se preocupa em monitorar esses gastos, ele abre o alerta para um eventual descontrole das contas.

Por outro lado, quando os apertos surgem, uma das primeiras ideias é cortar os gastos internos e de forma desenfreada sem avaliar os impactos disso. Em casos mais extremos, a loja fica totalmente inviabilizada de manter.

7 – Falta de monitoramento do fluxo de caixa

Outros erros que são muito cometidos pelo varejo e que compromete o sucesso dos negócios é a falta de monitoramento do fluxo de caixa. Acontece muito de o varejista avaliar o fluxo ao final de cada mês e, muitas vezes, pode ser tarde demais para manter o equilíbrio das finanças.

Essa ação deve ser diária e semanal, porque o controle do fluxo também vai garantir uma previsão futura e ajudar a antecipar em caso de eventual investimento ou despesas que não estavam previstas. O lojista que não se precavê abre precedentes para surpresas indesejadas.

Fique de olho

Na próxima terça-feira (11/06) o Flix irá te contar como solucionar e se precaver de cada um desses deslizes!

Enquanto isso

Como anda a organização da sua loja? Nós também temos um post sobre isso! Confira aqui como o layout de loja influencia positivamente nas vendas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here