Quando você gerencia o próprio negócio, você já pensa em sucesso e obtenção de lucros. É inevitável! Mas toda loja, seja ela física ou virtual, demanda muita cautela e, principalmente, o entendimento de que muitas ferramentas disponíveis no mercado ajudam de fato a alcançar os resultados. Um desses recursos é o inventário de estoque, que auxilia principalmente na redução de perdas e otimização dos espaços.

Um exemplo de sucesso a partir do bom desempenho da gestão de estoque é a empresa Netshoes. Em entrevista à revista Época Negócios em 2012, quando o faturamento da loja virtual naquela ocasião já era de quase R$ 1 bilhão, foi destacado que os produtos saíam do estoque em no máximo dois dias para a agência dos Correios e, consequentemente, o processo agilizava a entrega ao consumidor.

O consultor de varejo, João Carlos da Lapa, destaca que não há como apurar as margens, perdas e o lucro líquido final sem fazer inventário. Por isso, é preciso atualizar os estoques constantemente e manter as informações o mais próximo possível do correto para que o varejista consiga realizar as compras baseadas nesse histórico correto do estoque. Só assim a apuração dos resultados líquidos da loja será mais fiel à realidade.

Contudo, um dos grandes problemas é que grande parte dos pequenos varejistas ainda não enxerga a importância de se fazer o inventário. Segundo João Carlos, na maioria das vezes em que o inventário é feito, quando é, os lojistas não o executam com frequência ou ainda com pouca acurácia (precisão nas contagens), algo em torno de 83% a 85%.

“Na minha opinião deveria ser algo em torno de 95%. A verdade é que o inventário no varejo ainda não é devidamente valorizado pelas empresas regionais de pequeno e médio porto. Diferentemente dos grandes grupos, que costumam fazer inventários rotativos diários principalmente em categorias de grupos mais perecíveis e de maior risco”, comentou o especialista.

João Carlos da Lapa, consultor da Universidade Martins do Varejo

PERDAS E MÁ GESTÃO

Não ter controle do que está saindo da loja e dos prazos de validade dos produtos, especialmente no segmento alimentício, é bastante arriscado para a saúde financeira do negócio já que as chances de prejuízos com as perdas são grandes. Para ter esse controle, o inventário de estoque é o ideal.

As empresas varejistas que não realizam inventário estão perdendo a precisão dos estoques e, por consequência, as compras são feitas com base em parâmetros errados.

“Provocando assim as compras erradas, perdas de vendas e sobras de estoque. Além, é claro, da falta de informação da apuração para a margem e perda líquida, porque é o inventário que dá parâmetro para apurar essas coisas”, disse João Carlos.

Com os resultados fica nítido que quem não consegue fazer o inventário realiza uma má gestão e pode certamente ter surpresas indesejáveis no fechamento das contas.

BOAS MARGENS

O inventário é a única maneira que o lojista tem para enxergar a margem real, além de aumentar a confiabilidade dos estoques do sistema para poder fazer as análises corretas dos resultados. É com ele que se terá uma apuração real das quebras e perdas dos diversos setores da loja. Além do controle de uso e consumo.

Outra possibilidade é a de evitar os riscos de desabastecimento e a consequente perda de vendas com as demandas imprevistas. O varejista ainda consegue identificar os erros de entrada de notas realizadas pelo setor de recebimento e identificar o nível real de ruptura de produtos para garantir eficiência nos processos e um atendimento melhor aos clientes.

MAIS SOBRE INVENTÁRIO DE ESTOQUE

Na próxima semana traremos um passo a passo de como o varejista pode fazer esse processo e melhorar a gestão de seu estoque por meio de inventários. Fique de olho!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here